Metrô do Rio de Janeiro

O bairro do Flamengo, no RJ, onde eu moro, é um bairro populoso, com muitos comércios e transportes. Aqui tem de tudo que você precisa, sem ter que se locomover para outros bairros. O Flamengo também interliga os bairros de Botafogo, laranjeiras, Glória e Catete, sem necessidades de tomar uma condução. Chegamos tranquilamente a pé ou de bicicleta, nesses bairros adjacentes.

Por esse motivo, é que fiquei muito tempo sem pegar o Metrô para me locomover para mais longe e veio a necessidade de usar o Metrô por conta do tratamento dentário.

Fiquei horrorizada!!!!!!!!!!!!!! Gente! Vocês não estão entendendo!

Por alguns segundos até achei que estava tomando os Trens da Central do Brasil o famoso Super Via que interliga todos os subúrbios do Rio de Janeiro que são péssimos.

Ao adentrar no vagão do Metrô me deparei com vagões pessimamente conservados. Sujos, fedorento, com pessoas sentadas no chão, no espaço, onde foi tirado os bancos para acomodar mais gente em pé. Uma mulher com carrinho de feira, (onde estava os seguranças que deixou essa mulher entrar com carrinho de feira?), exalava um fedor das hortaliças que ela havia comprado. Um Homem carregando uma espécie de caixote. Pessoas falando alto em algazarras, celulares tocando e pessoas falando em escrúpulo ao celular. Idosos em pé e jovens sentados justamente nos bancos destinados a eles. Vidros das janelas e portas embaçados pela sujeiras e marcas de mão do povão. O ar condicionado precário e o condutor do trem tentando falar alguma coisa no alto falante que não se ouvia e nem entendia nada.

Eu não podia acreditar no que eu estava vendo! Graças a Deus eu saltei na estação de Botafogo que é a estação seguinte do meu destino. Foi um alívio respirar na rua.

Enquanto caminhava para o meu destino, me lembrei da inauguração do Metrô no ano de 1979. Meus colegas de trabalho organizaram um turma, para fazermos um Tor pelas cincos estações que o Metrô percorria- Praça Onze, Central, Presidente Vargas, Cinelândia e Glória e o horário era somente de 9h às 15hs inicialmente.

Nessa época EU morava no bairro da Glória e adorava ir para o trabalho de Metrô. Levávamos casaquinhos na bolsa para colocar dentro dos trens, pois o ar condicionado era tão forte que dava até frio. Era limpíssimo, e tinha um cheiro de perfume do ar, perfumes das passageiras que iam para o trabalho e/ou faculdade. Os homens vestiam ternos. Era proibido viajar sem camisa, de bermuda e carregando grandes volumes.

As estações eram lindas, limpíssimas, Todas de mármores e o chão sempre brilhava. Havia placas de propagandas luminosas por toda a extensão dos corredores das estações. Os funcionários usavam um uniforme azul com o emblema do Metrô e um lencinho no pescoço. Muito chique mesmo. Os seguranças andavam por toda as estações e usavam uniformes pretos. A voz do sistema de automatização de voz era doce e bem audível. Nenhum Carioca tinha coragem de jogar um papel que fosse no chão e levavam até saco plásticos para colocar o guarda chuvas.

Acreditei, que o Metrô era o futuro para o povo Carioca, um sistema de transportes eficiente, que chagava para integrar toda a cidade.

Meu filho, aos oito anos de idade foi mascote do Metrô. Saia em todas as propagandas e tínhamos bilhetes de passe livre. Tudo era muito bonito e eficiente.

O tempo passou e hoje, são duas linhas, 35 estações e 640 mil passageiros por dia. O ar refrigerado não funciona. Os trens vivem abarrotados, a limpeza é sofrível, As escadas rolantes não rolam, os elevadores para cadeirantes não funcionam, as estações são sujas e se vendem de um tudo, tendo um cheiro no ar de pão de queijo. E o mais curioso é que não tem banheiro para o público, apesar do preço exorbitante para o povo assalariado.

Os homens não respeitam s carros destinados as mulheres e os agentes do metrô não enxergam isso.  Os ônibus de integração, chamados de “Metrô na superfície” também são sofríveis. Sujos, e abarrotados de pessoas.

Quem vê o Metrô carioca hoje, não se espanta, pois pensa que sempre foi assim, o que não é verdade! Por mais ou menos vinte anos o Metrô era excelência. A desordem começou a partir da concessão para uma empresa privada em 1998, que nunca cuidou. A expansão de linhas que cresceram desordenadamente, sem um adequado planejamento. E a falta de cuidado e conservação do Povo carioca e do povo brasileiro que escolheram o Rio para morar, trabalhar e viver.

 

Fiquei muito triste com o que vi. Nunca pensei que os trens do Metrô estivessem assim. É lamentável e desumano. Todo o dinheiro dos cofres públicos acabando- se em desrespeito, desordem, sujeira e ganância.

Decide que vou continuar o tratamento dentário indo de ônibus. Pelo menos tem janela para respirarmos e é bem mais barato a passagem que a do Metrô.

Lamentável.

Kika

About Kika

Meu nome já não importa, mais meu apelido é Kika. Sou carioca da gema, do signo de peixes. Já passei da idade dos sonhos. Por incrível que possa parecer, ainda não descobri a minha missão e no momento não estou fazendo questão. Amo a natureza e todos os seus habitantes. Gosto de ir ao cinema, ao teatro. Quase sempre escuto o bom Blues. Procuro sempre me manter ocupada, isso me faz esquecer os problemas e a solidão. Não gosto de situações aborrecidas e tediosas e muito menos ter que ser simpática quando não o quero ser e nunca me importo com o que falam de mim ou pensam ao meu respeito. Sou direta e nunca faço rodeios. Tenho vários defeitos e não faço questão de corrigi-los. Sou assim e pronto! Desejo que você goste da minha NAVE e qualquer contato é só deixar o seu recado que eu retorno. Muita paz a todos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>