E agora como é que fica essa merda toda?

Depois de alguns meses sem postar, inicio nova postagem com mais um desastre catatônico no Rio de Janeiro. Lamentavelmente, acidentes esses que geram pânico, tristeza e impotência.

Ano passado tivemos as chuvas que desabrigaram e fizeram vítimas na Região Serrana do Rio de Janeiro e até hoje não houve conclusão humanitária para aquela região. No mesmo ano o acidente com vítimas do Bondinho em Santa Teresa no Centro do Rio de Janeiro.

E não podemos esquecer-nos das vítimas da explosão do Restaurante Filé Carioca que funcionava no térreo do Edifício Riqueza, também no Centro do Rio de Janeiro pelo vazamento de gás.

Iniciamos esse ano com o inacreditável desabamento de três prédios na Avenida 13 de Maio no Centro do Rio de Janeiro, na noite de quarta-feira dia 25 com vítimas fatais. Esse triste episódio lembrou aos cariocas o Edifício Residencial Palace II Na Barra da Tijuca que também desabou por um erro estrutural de cálculos pelo engenheiro Sergio Naya em 1990, vitimando pessoas.

Como tudo no Brasil acontece independente de ser ou não absurdo, o jogo de empurra já começou. Representantes da Administração do Edifício Liberdade e da empresa (To) Tecnologia Organizacional – proprietárias de salas onde eram realizadas obras suspeitas de comprometerem a estrutura do prédio tiram o seu da reta com versões absurdas sobre as suas responsabilidades.

O Prefeito do Rio de Janeiro Eduardo Paes, tenta de todas as formas, negar a questão do vazamento de gás e culpar sem uma investigação sólida as obras, livrando assim o Poder Público. Se não havia vazamento de gás, porque os moradores reclamaram do cheio de gás e agendaram uma vistoria da CEG várias vezes no local?

O CREA – Conselho Regional de Engenharia e Agronomia declara que as obras no prédio eram ilegais. É muito fácil dizer isso cara Pálida! Já que os prédios vieram a baixo e junto qualquer documentação que possa esclarecer essa questão.

O CREA ainda explica, afirmando que o prédio era muito antigo e que na época em que foi edificado não se economizava com material e por isso bastante resistente. Ainda afirma que foi um fator externo.

Fala sério bicho! Devolvendo a responsabilidade para a Prefeitura do Rio. Que coisa feia!

Se a responsabilidade pelo desabamento do prédio tem a ver com as obras de reforma no terceiro e nono pavimento eu não sei, porém, é fato que as obras começaram sem projeto, sem registro e sem um engenheiro responsável. Se bem que o Sergio Naya era engenheiro e seus projetos também desabaram

Vendo as reportagens na TV, sinto a necessidade desfreada das autoridades para descobrir os responsáveis por essa tragédia, e como esse filho é horroroso, provavelmente não aparecerá o pai e qualquer que seja a causa terá com toda certeza um responsável e que seja punido com as mais duras penas, servindo de exemplo, para que o Poder Público faça o seu trabalho, e que profissionais sejam mais responsáveis, evitando assim futuros e graves acidentes.

– Como ficam as famílias enlutadas? E os profissionais que lá trabalhavam levando o sustento para suas famílias? E os proprietários que compraram salas nos prédios, muitos com economia de uma vida inteira.

Quem vai arcar com toda essa tragédia?

Seja de quem for à responsabilidade, a penalidade que será imputado ao responsável, ou responsáveis, será pouca diante dos prejuízos afincados as vítimas.

A verdade é que a mídia tira leite de pedra da desgraça e a sensação que me passa é que não estamos sendo informados da real dimensão do fatídico episódio.

As perguntas são:

– Porque outros edifícios nas proximidades estão sendo evacuados? Estariam também correndo risco de desabarem?

– Como ficou a história do Dentista Antônio Molinario que acabou sendo preso por acusar um Sargento dos Bombeiros de se apropriar de uma caixa com Cds de computador que estava dentro do carro da Defesa Civil e que foi filmada pelos jornalistas?

Fico estremecida em pensar no dinheiro dos cofres do Banco Itaú que estariam nos escombros.

Nós brasileiros sabemos que várias doações de outras tragédias também foram roubadas por quem deveria encaminhar para as vítimas.

Outra coisa que me soa pessimamente é o uso do nome de DEUS. Não consigo aceitar essa religiosidade humana, com frases desumanas.

– Foi DEUS que fez o prédio desabar depois do horário comercial.

– Eu estava me dirigindo para uma aula no prédio, mais faltei. Foi DEUS.

– Eu nasci de novo. Foi DEUS!

– Foi DEUS quem fez meu carro enguiçar. Daí… Faltei ao trabalho.

Como assim? Que DEUS é esse que salva uns e condena outros.

O que diria os familiares das vítimas dessa tragédia ouvindo essas barbaridades?

Deus condenou todas essas vítimas? É um déspota esse DEUS.

Por enquanto não há uma resposta definitiva para o que aconteceu. Vamos aguardar as autoridades se manifestarem.

Daqui a alguns dias já é Carnaval e o povo ensandecido com suas fantasias e escolas de samba vão esquecer mais esse episódio, restando apenas à tristeza dos familiares das vítimas.

E pensar que o Rio vai sediar a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016.

Realmente a vida na terra não para!

Durma-se com um barulho desse e chupa essa manga!

Estou de luto em solidariedade as famílias das vítimas.

 

Kika

About Kika

Meu nome já não importa, mais meu apelido é Kika. Sou carioca da gema, do signo de peixes. Já passei da idade dos sonhos. Por incrível que possa parecer, ainda não descobri a minha missão e no momento não estou fazendo questão. Amo a natureza e todos os seus habitantes. Gosto de ir ao cinema, ao teatro. Quase sempre escuto o bom Blues. Procuro sempre me manter ocupada, isso me faz esquecer os problemas e a solidão. Não gosto de situações aborrecidas e tediosas e muito menos ter que ser simpática quando não o quero ser e nunca me importo com o que falam de mim ou pensam ao meu respeito. Sou direta e nunca faço rodeios. Tenho vários defeitos e não faço questão de corrigi-los. Sou assim e pronto! Desejo que você goste da minha NAVE e qualquer contato é só deixar o seu recado que eu retorno. Muita paz a todos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>