Eu Sonhei

Eu estava numa sala grande, com móveis de cor clara. Havia uma criança sentada no sofá e misteriosamente algo invisível a jogou no chão. Corri para olhar a criança no chão, que se tornara um adulto do sexo feminino. Alguém que eu conhecia. Não identifiquei, mais aproveitei e peguei uma almofada ou travesseiro e joguei no rosto dessa pessoa, fazendo jorrar sangue da têmpora esquerda.

Gritei para algo invisível: – vamos brincar, vamos brincar! E olhava em vão para todos os lados.

Logo começou a piscar na minha frente uma luz bem pequena. Procurei em volta tentar identificar algum objeto que supostamente, com a luz do sol, estivesse fazendo aquela pequena luz piscar. Percebi então que a luz era o que havia jogado no chão aquela criança que havia se transformado em adulto.

Tive medo! Correu um arrepio pela minha espinha dorsal. O suor escorreu pela minha testa. Fiquei confusa e pensei que aquela luz era algo sobrenatural – Fantasmagórico.

Por um momento me arrependi de ter convidado aquilo para brincar e pensei em desisti. Ir embora, sair correndo. Mais Aquela coisa invisível começou a crescer e rodar pela sala. De alguma forma me ameaçava. Precisava pensar rápido e não deixar o medo invadir meu ser.

A luz já estava grande e rodava em volta do meu corpo me deixando tonta. Firmei meus pensamentos e percebi que a luz tomava forma. A Forma de um corpo também feminino e perigoso.

Preocupei-me com minha gata que estava deitada no sofá e como adivinhando os meus pensamentos aquela coisa invisível e agora com formato, pegou minha gata pelo rabo e girava em torno da sala. Eu só via minha gata miando, rodando suspensa no ar.

Do nada tirei do bolso da calça comprida um pentagrama de bronze, no centro uma cara de bode com chifres grandes e olhos de esmeraldas. Apontei para a tal luz que tentava fugir da imagem do pentagrama. Eu não dessistia e colocava o pentagrama contra a luz do sol que espalhava raios por toda a sala.

A luz do algo invisível foi se apagando até sumir completamente. A mulher que estava no chão levantou-se e tornou-se criança outra vez. Minha gata já estava no sofá e dormia.

Sentei-me também no sofá e comecei a orar. Iniciei o sinal da cruz.

Acordei com os bigodes da minha gata na minha cara pedindo comida.

Cruz Credo! Desconjuro!

Tô vendo muito CSI e Sobrenatural!

Todos os direitos reservados a autora ©kikario

Kika

About Kika

Meu nome já não importa, mais meu apelido é Kika. Sou carioca da gema, do signo de peixes. Já passei da idade dos sonhos. Por incrível que possa parecer, ainda não descobri a minha missão e no momento não estou fazendo questão. Amo a natureza e todos os seus habitantes. Gosto de ir ao cinema, ao teatro. Quase sempre escuto o bom Blues. Procuro sempre me manter ocupada, isso me faz esquecer os problemas e a solidão. Não gosto de situações aborrecidas e tediosas e muito menos ter que ser simpática quando não o quero ser e nunca me importo com o que falam de mim ou pensam ao meu respeito. Sou direta e nunca faço rodeios. Tenho vários defeitos e não faço questão de corrigi-los. Sou assim e pronto! Desejo que você goste da minha NAVE e qualquer contato é só deixar o seu recado que eu retorno. Muita paz a todos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>