Dor, morte e desalento

cruzeiro teresopolis As chuvas na Região Serrana do Rio de Janeiro é o que podemos chamar de “Final do Mundo” literalmente.

Choro, morte, desespero, angústia e perda total de identidade são o que restou de uma série de descaso e facilitação dos nossos governantes e administradores.

Não vou adentrar na tragédia em si porque todos nós cariocas ou não já sabemos dos fatos, pois a mídia nos informa a todo o momento.

Vamos começar pelo Instituto de Meteorologia que tem por finalidade estudar as ciências da atmosfera terrestre, e como foco o estudo dos processos atmosféricos e a previsão do tempo. O foco de estudo da meteorologia é a investigação dos fenômenos observáveis relacionados com a atmosfera. Os eventos atmosféricos que são observáveis somente em um amplo período de tempo são o foco de estudo da climatologia.

É sabido que as autoridades competentes foram avisadas que as chuvas teriam um volume de água maior que em todos os tempos, naquela região e fizeram o que?

Culpam a natureza!

Todos os anos, ou melhor, todo o verão as chuvas fazem vítimas. Não é novidade que esse tipo de tragédia tem se tornado rotineiro. Nos últimos dias do ano de 2009, aconteceu o deslizamento das encostas em Angra dos Reis, Niterói (Morro do Bumba) e tantos outros estados brasileiros e municípios.

O que fazem as autoridades competentes para prevenir esse desastre natural?

Na Austrália, houve o maior desastre climático do mundo em enchentes e só ouve 19 mortes. Concordo que não deveria ter nenhuma morte, mais dezenove é melhor que setecentas vidas ceifadas. Eles têm infra-estrutura e o Brasil?

Vamos combinar que há uma série de erros, que eu diria descaso, nessa carnificina toda.

O deslizamento em áreas de encosta é um fenômeno natural provocado pelo escorregamento de materiais sólidos, como solos, rochas, vegetação ao longo de um terreno inclinado. As enchentes e alagamentos podem ser explicados pela tendência da água da chuva, de escoar para a parte baixa onde se localizam os rios. Esses são fenômenos próprios de uma dinâmica natural de um ambiente montanhoso, mas se tornam graves uma vez que haja construções e pessoas morando nestas áreas sujeitas a deslizamentos de encostas e áreas onde existem rios que tem sua própria dinâmica de mudança de curso e cheia.

O crescimento desordenado das cidades levou a ocupação destas áreas de risco, negligenciados pelos governantes em um todo, que observaram a expansão, tornando-se omisso o poder público. Se o crescimento desordenado continuar, aliado a omissão, com certeza acontecerá mais e mais casos iguais nos próximos anos.

Desta vez não houve distinção entre pobres e ricos nessa tragédia, transformada em estatística, constituída pelo teatro da demagogia política com a encenação da presidente Dilma e do governador Sérgio Cabral voando as áreas atingidas.

Sem falar na exploração financeira das empresas, indústrias e pequenos comércios, que se aproveitam da desgraça do povo para gerar bens próprios sem olhar o seu irmão em desgraça e desespero.

“Terra de cego que tem um olho é rei”

Vamos trabalhar governantes brasileiros. Levantem suas bundas gordas das cadeiras de seus luxuosos gabinetes e arregacem as mangas. Façam um governo para o povo e deixem de olhar para os seus próprios salários e nepotismo. Deixem seus ternos na lavanderia e vistam calças jeans e camiseta e vão para as ruas verem as necessidades do povo.

Façam leis que vigorem e sejam respeitadas. Eduque o povo a não jogar o lixo nas encostas, nos rios, nos mares. Proíbam o desmatamento, construam casas para que não haja construções desordenadas. Levem a sério as estatísticas do Instituto de Meteorologia.

Prefeito Eduardo Paes, é papel do prefeito, comandar, coordenar e controlar toda a administração pública municipal. Cabe a prefeitura atuar politicamente em prol dos interesses da população diante de outras instâncias do executivo e do legislativo, bem como da sociedade civil organizada. O senhor representa o Município em todas as circunstâncias e pode realizar atos políticos como apresentar projetos de lei e sancionar e promulgar ou vetar leis.

Então meu querido…. Vá trabalhar e fazer jus ao povo que te elegeu. Coloque seus secretários para trabalharem a favor do povo brasileiro que não agüenta mais tanto descaso das autoridades governamentais.

Dilma Rousseff faça valer o seu poder de Presidente e coloque o seu ministério para trabalhar duro usando a sua experiência militante para construir um Brasil melhor, sem que o povo chore por tantas perdas, seja pelas chuvas, fome, doença, vício, educação ou moradia.

O poeta Tom Jobim já tinha razão!

♫♪… São as águas de março fechando o verão,
É a promessa de vida no teu coração

É pau, é pedra, é o fim do caminho
É um resto de toco, é um pouco sozinho
É um passo, é uma ponte, é um sapo, é uma rã
É um belo horizonte, é uma febre terçã

São as águas de março fechando o verão
É a promessa de vida no teu coração
pau, pedra, fim, caminho
resto, toco, pouco, sozinho
caco, vidro, vida, sol, noite, morte, laço, anzol

São as águas de março fechando o verão
É a promessa de vida no teu coração. ♫♪

Kika

About Kika

Meu nome já não importa, mais meu apelido é Kika. Sou carioca da gema, do signo de peixes. Já passei da idade dos sonhos. Por incrível que possa parecer, ainda não descobri a minha missão e no momento não estou fazendo questão. Amo a natureza e todos os seus habitantes. Gosto de ir ao cinema, ao teatro. Quase sempre escuto o bom Blues. Procuro sempre me manter ocupada, isso me faz esquecer os problemas e a solidão. Não gosto de situações aborrecidas e tediosas e muito menos ter que ser simpática quando não o quero ser e nunca me importo com o que falam de mim ou pensam ao meu respeito. Sou direta e nunca faço rodeios. Tenho vários defeitos e não faço questão de corrigi-los. Sou assim e pronto! Desejo que você goste da minha NAVE e qualquer contato é só deixar o seu recado que eu retorno. Muita paz a todos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>