O Chester de Natal

Neste sábado fui cedo ao supermercado fazer as compras de mês que incrivelmente só duram quinze dias. Não comprei nada de Natal, pois esse ano, meu filho e eu vamos passar no salão de festas do Hotel Paissandu que fica perto de casa. Fica mais barato, a ceia é farta, nos livra de ficar na cozinha, tem música e muita gente bonita.

Quando cheguei ao mercado, tive vontade de sair correndo, pois estava muito cheio. Era tanta gente que parecia dia de Fla X Flu no Estádio do Maracanã.

Eu não estava bem disposta para essa façanha e fui vagarosamente, driblando o meu mau humor. Tive a impressão que os produtos haviam aumentado de preço, mais o que fazer se tenho que comprar. O calor era insuportável e não entendo porque o supermercado coloca na ventilação o ar condicionado, justo nos dias de maior calor e aglomeração de pessoas.

Foi quando notei um grupo de mulheres no balcão frízer de congelados disputando o Chester que estava em promoção. Não entendi bem a tal promoção, pois o quilo do Chester estava custando R$23,00 – (Vinte e três reais) que para mim ainda é caro. Uma ave metida à besta, que qualquer pessoa que mora em casa pode criar no seu quintal, assim como minha irmã que esta com uma mini fazenda no quintal de sua casa. Tendo todas as manhãs, frutas variadas, ovos, carne fresca de ave e até algumas codornas.

Parei perto do balcão e fiquei olhando as mulheradas ensandecidas por uma ave, puxando uma da mão da outra. Derrepente chegou um homem, tipo paraibano, socadinho e barrigudo, usando um bigode ridículo e pegou a última ave do balcão juntamente com outra mulher.

Gente!!!! Foi uma discussão danada, um puxa daqui e dali que vocês não têm idéia. Mais o homem não queria ceder de jeito nenhum para a mulher a ave em promoção e no meio da discussão desferiu um soco na cara da tal mulher e saiu glorioso com a ave na mão.

A mulher estatelada no chão e o povo gritando pelo segurança da loja. No momento da confusão eu me afastei e fui para perto dos caixas, esperar a confusão terminar, quando avistei o tal paraibano passando a ave disputada para a sua companheira que já estava na fila para passar nos caixas e saiu tranquilamente pela porta lateral do supermercado.

A mulher foi socorrida pela população e encaminhada para  a gerencia do supermercado.

Fiquei ali pensando:

– O que houve com a conduta dos seres humanos desse planeta?

– E é NATAL!

Kika

About Kika

Meu nome já não importa, mais meu apelido é Kika. Sou carioca da gema, do signo de peixes. Já passei da idade dos sonhos. Por incrível que possa parecer, ainda não descobri a minha missão e no momento não estou fazendo questão. Amo a natureza e todos os seus habitantes. Gosto de ir ao cinema, ao teatro. Quase sempre escuto o bom Blues. Procuro sempre me manter ocupada, isso me faz esquecer os problemas e a solidão. Não gosto de situações aborrecidas e tediosas e muito menos ter que ser simpática quando não o quero ser e nunca me importo com o que falam de mim ou pensam ao meu respeito. Sou direta e nunca faço rodeios. Tenho vários defeitos e não faço questão de corrigi-los. Sou assim e pronto! Desejo que você goste da minha NAVE e qualquer contato é só deixar o seu recado que eu retorno. Muita paz a todos!

One thought on “O Chester de Natal

  1. Ka

    Meeeeew, sério que ele deu um soco nela? Caracas! Aqui onde eu moro ta uma loucura tb, mas nada de violencia.. rsrs. adorei o site. Abraços e feliz natal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>