A vítima é sempre culpada

Vítima ou culpadaEu estava caminhando pela orla praiana quando um garoto desses “DiMenor” deu um bote numa madame que passeava com seu cachorrinho puldoo, arrancando o celular de sua orelha. Madame chiquérrima ficou sem ação e lamentou a perda do aparelho importado. O garoto correu com a prenda na mão, por entre o trânsito do Aterro do Flamengo, sem sofrer nenhum dano. Ao chegar a minha casa comentei o ocorrido e sem nenhum pudor acrescentei:

– Pô ! Ir caminhar na orla da praia toda chique e distraída falando num celular de ponta é querer ser roubada. Vamos combinar!

Meu filho que tudo ouvia enquanto trabalhava em seu computador, levantou-se calmamente e disse:

– É… A vítima é sempre a culpada!

Como um tijolo de concreto, essa frase caiu direto na minha cabeça. Fiquei por alguns minutos sem ação e ao racionar o ponto de vista dele, me senti envergonhada de ter feito tal comentário. Mais ainda assim insisti no óbvio:

– A vítima é sempre culpada? Como assim?

Meu filho, já querendo discursar e com lição de moral, foi fazendo entender:

-Esse tipo de pensamento é que nos leva a aceitar os absurdos existentes no comportamento social, transferindo o problema, no caso esse problema policial, desqualificando a vítima.

Com cara de Alá Balão, continuei a olhar fixo para meu filho, que percebendo um ponto de interrogação na minha cara, emendou:

– Nós trabalhamos em troca de dinheiro e logo para adquirir conforto, prazer e bens.  Não podemos usufruir de nossas conquistas porque não temos segurança. Pagamos impostos altos, elegemos políticos, presidentes, tudo para termos um país seguro, saudável, habitável.  A Segurança Pública deveria fazer o seu trabalho, dando condições a todos de falarem em seus celulares, andarem em seus carros, usarem suas bolsas e ate mesmo passearem sem que haja nenhum afronta ou ate mesmo perigo de morte.

– Por comentários assim é que o povo se acomoda e não cobra de nossas autoridades o real valor de cada ação, de cada lei, de cada embargo.

– Mulheres apanham, são violentadas e mortas por seus algozes e o povo ainda diz que aquela mulher mereceu, porque é prostituta, traidora ou até mesmo fofoqueira.

– Veja o caso Bruno. Algumas pessoas ainda dizem que a tal mulher era prostituta, fazia filme pornô. E daí? Merecia morrer?

– Políticos que sonegam, roubam e o povo ainda diz: Bem feito quem mandou votar nele!

Transferem a culpa para o povo que em troca de um bujão de gás ou um quilo de feijão vota despreparado nesse cidadão porque não tem estudo e nem são encorajados a estudarem e principalmente saberem dos seus direitos, das leis e toda uma história do país. Acomodam-se e transferem a culpa para o cidadão e NÃO para o caráter dúbio de nossos eleitos.

– Culpam os policiais por ações errôneas e insubordinadas e esquecem que muitos desses profissionais são favelados, pressionados e subordinados. De quem seria a culpa? Do policial ou de seu comandante que não percebeu seu caráter?

– Culpam médicos por não atender a tempo o paciente e até mesmo por erro julgado médico e esquecem que nossos hospitais estão em frangalhos, doentes, fragilizados, não dando condição a esses profissionais de executarem suas funções, confortavelmente e provido de uma unidade assistencial humanitária.

– Culpam e agridem os professores, sem parar para pensar e entender porque a Secretaria de Educação nada faz pelo ensino de qualidade ao povo.

– Se cada pessoa que fosse roubada, cada filho perdido para a morte, cada erro médico ou falta de atendimento médico, cada ação que não condiz com a realidade de uma vida melhor e digna, fossem todos os envolvidos, para a porta do GABINETE das autoridades competente e reivindicarem seus direitos e obrigações de todo um estado, assim como reivindicam seus treinadores de time de futebol, ou a vaga na garagem de seus prédios…

– Tenha certeza que não haveria mais vítimas.

– Se nossas crianças, nossos idosos, nossos jovens tivessem respaldo honesto, alimento na mesa e habitação digna…

– Tenha certeza que não haveria mais vítimas.

– Se as leis brasileiras fossem princípios para todos os homens, independentes de sexo, religião e condição social. Se a Frase “A Justiça é Cega” fosse trocada por: “A Justiça é lenta e enxerga quando quer” para fazer o “Poder Judiciário” entender que a lei é para ser cumprida, e que há pressa em resolver à pendência…

– Tenha certeza que não haveria mais vítimas.

Meu filho encerrou seu discurso, deixando o recinto, se dirigindo para o seu quarto com seu laptop debaixo do braço, tendo a certeza que me fizera entender o grau de meu comentário burro e preconceituoso.

Eu, que ouvi tudo sem ao menos respirar, fiquei atônita diante dessa lição de civismo, moral, afeição e respeito ao próximo. E olha que ele só tem vinte e quatro anos!

Quem sabe algum dia ele se torne o Presidente de nosso país, colocando em prática toda essa lição de moral e civismo, defendendo valores fundamentais para a vida coletiva, com harmonia e bem estar de todos.

A cidadã lesada eu peço as minhas mais sincera desculpas.

Kika

About Kika

Meu nome já não importa, mais meu apelido é Kika. Sou carioca da gema, do signo de peixes. Já passei da idade dos sonhos. Por incrível que possa parecer, ainda não descobri a minha missão e no momento não estou fazendo questão. Amo a natureza e todos os seus habitantes. Gosto de ir ao cinema, ao teatro. Quase sempre escuto o bom Blues. Procuro sempre me manter ocupada, isso me faz esquecer os problemas e a solidão. Não gosto de situações aborrecidas e tediosas e muito menos ter que ser simpática quando não o quero ser e nunca me importo com o que falam de mim ou pensam ao meu respeito. Sou direta e nunca faço rodeios. Tenho vários defeitos e não faço questão de corrigi-los. Sou assim e pronto! Desejo que você goste da minha NAVE e qualquer contato é só deixar o seu recado que eu retorno. Muita paz a todos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>