O amor da Begônia.

Faço a minha caminhada pela orla da praia todas as manhãs bem cedinho. Há uns meses atrás, ao iniciar a caminhada, avistei um homem, de aproximadamente trinta e poucos anos gritando para o terceiro andar de um prédio de alto luxo que fica de frente para a praia. Diminui o passo para ver do que se tratava. Avistei uma mulher loura na varanda do apartamento, também gritando para o tal homem na calçada. Eram tantas ofensas e palavras de baixo calão que quase não acreditei que estivesse acontecendo isso àquela hora da manhã. Aproximei-me mais um pouco e fique ali observando o show junto com alguns porteiros e transeuntes.

A mulher ensandecida a cada xingamento do homem começou a jogar pela janela da varanda, roupas, sapatos, livros, um pequeno aparelho de CD e pastas com papéis. Também jogou um vaso com uma begônia plantada, espatifando-a no chão.

Coitado do pobre homem… Não sabia se pegava as coisas ou se gritava para a tal mulher que ia matar-la. Julguei que fossem casados o que me foi confirmado por um porteiro que também assistia o showzinho particular dos dois.

Com a chegada da policia, chamada por um dos vizinhos, a coisa se acalmou e foram resolver a questão na delegacia. O policial ajudou o homem a catar as suas coisas, colocando no carro de patrulha e desprezaram o vaso espatifado da begônia.

Fiquei com pena daquela pobre planta, que pagou o pato, sendo arremessada pela varanda para que morresse na sarjeta, por atos que não cometeu.

Abaixei e catei toda a terra no asfalto e a pobre begônia despedaçada. Coloquei num saco plástico doado pelo porteiro e sai cantando:

♫♪… A rosa brigou com o cravo de baixo de uma sacada. O cravo saiu ferido e a Begônia despedaçada… ♫♪.

Em casa tornei a plantar a pobre coitada, amparei-a com uma haste e reguei com água fresca, colocando-a na janela de minha cozinha para pegar claridade e sol. Não que ela não merecesse ficar na janela da sala, mais porque tenho uma gata que adora comer flores e plantas.

Após quatro meses, em pleno inverno a minha adotada begônia floriu. Esqueceu todo o trauma que passou, quando da tentativa de ser assassinada, sendo arremessada do terceiro andar ao chão e da separação de seus pais.
Hoje ela esta feliz me adotou como mãe e me deu essas lindas flores de presente para provar que o AMOR ainda existe até mesmo nas plantas.

minhas begonias

Kika

About Kika

Meu nome já não importa, mais meu apelido é Kika. Sou carioca da gema, do signo de peixes. Já passei da idade dos sonhos. Por incrível que possa parecer, ainda não descobri a minha missão e no momento não estou fazendo questão. Amo a natureza e todos os seus habitantes. Gosto de ir ao cinema, ao teatro. Quase sempre escuto o bom Blues. Procuro sempre me manter ocupada, isso me faz esquecer os problemas e a solidão. Não gosto de situações aborrecidas e tediosas e muito menos ter que ser simpática quando não o quero ser e nunca me importo com o que falam de mim ou pensam ao meu respeito. Sou direta e nunca faço rodeios. Tenho vários defeitos e não faço questão de corrigi-los. Sou assim e pronto! Desejo que você goste da minha NAVE e qualquer contato é só deixar o seu recado que eu retorno. Muita paz a todos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>