O celular me avisa: Hora de levantar…

Meu celular me avisa que já são 6h00 da manhã e que preciso levantar. Por um momento tento descobrir na minha mente qual é do dia da semana e porque tenho que levantar. Logo minha mente esclarece que é quarta feira e o trabalho me aguarda.  Fico deitada mais um pouco sentindo o restinho do frio da madrugada.

Espero o meu celular despertar de novo e sinto o meu corpo dolorido, a enxaqueca pulsa forte nas têmporas e na nuca. Sinto o corpo febril. Estou simplesmente acabada! Faço um balanço rápido da minha vida e não sinto satisfação. As minhas responsabilidades são enormes e não há outro meio de escapar dessa maratona aleatória.

Hoje eu gostaria de ficar em casa. Quem sabe ouvir uma música, escolher um Cd entre tantos que tenho e quase nunca ouço. Ler o jornal ou o livro que esta sempre aguardando para quando eu tiver um tempo. Tomar um banho morno demorado e encontrar o café posto na mesa, por fim ficar deitada tomando um bom chocolate quente e assistindo um filme na TV.

Minha cabeça lateja tanto que não me deixa sonhar com todas essas maravilhas que desejo nesse momento. Preciso urgentemente de uma aspirina e um café bem forte, mais…  Não adianta gritar por ninguém! Eu mesma tenho que providenciar.

Ainda indisposta e sonolenta tomo uma chuveirada e penso como seria bom, nesse momento ser uma dondoca qualquer. Dessas que nada tem para fazer a não ser combinar sua bolsa de grife com seus sapatos e consultar sua agenda onde a marcação do cabeleireiro é duas horas depois da massagem. Ir para a academia dirigindo o carro último tipo. Almoçar com uma amiga no Copacabana Palace, falar futilidades do dia a dia e ainda meter o pau nos pobres maridos.

Segundo toque do celular me avisando que já se passaram 30m. Droga! Sento na beirada da cama para coordenar as minhas ações. Tomo um café mal feito e vou me vestindo enquanto penso nas feministas que lutaram pelos direitos equânimes e uma vivência humana liberta de padrões opressores baseados em normas de gênero.

PQP!  Nem fui consultada para saber se era mesmo isso que eu queria. Vou correndo contra o tempo, pegando a escova de cabelo e ao mesmo tempo procurando meus sapatos que carga d”águas foi parar em baixo da cama me obrigando a abaixar, provocando uma dor mais forte nas têmporas.

Minha gata Chininha corre na minha frente me fazendo tropeçar e tudo o que ela quer dizer é que também precisa do seu café da manhã.

Mastigo uma aspirina, dou um bom dia meia boca para o porteiro e me dirijo para o meu trabalho sentindo o frio daquela manha. Enquanto caminho, lembro-me de minha avó que após da às ordens para os trabalhos domésticos sentava-se com suas amigas na suntuosa sala do apartamento do Bairro do Jardim Botânico com suas agulhas de crochê entre um chá e bolinhos, conversavam amenidade até a hora que nossos avôs chegavam do trabalho. Tudo era tão perfeito e feliz.

Chego ao trabalho com meia hora de atraso e ainda ouço uma gracinha de um colega qualquer respondendo ao meu bom dia com boa tarde, fazendo menção que estou atrasada.

Percebo que por causa de um ser assim, caquético, de cérebro atrofiado, com distúrbios sexuais, mal resolvidos, mal sucedidos, fracassados, invejosos, covardes e feios que surgiram as feministas e as suas maravilhosas conquistas que a bem da verdade ainda é pouco.

Debruço-me em sua mesa, olho bem no fundo dos olhos dele e mando na lata:

– Vai à merda antes que eu me esqueça!

women-rule

Kika

About Kika

Meu nome já não importa, mais meu apelido é Kika. Sou carioca da gema, do signo de peixes. Já passei da idade dos sonhos. Por incrível que possa parecer, ainda não descobri a minha missão e no momento não estou fazendo questão. Amo a natureza e todos os seus habitantes. Gosto de ir ao cinema, ao teatro. Quase sempre escuto o bom Blues. Procuro sempre me manter ocupada, isso me faz esquecer os problemas e a solidão. Não gosto de situações aborrecidas e tediosas e muito menos ter que ser simpática quando não o quero ser e nunca me importo com o que falam de mim ou pensam ao meu respeito. Sou direta e nunca faço rodeios. Tenho vários defeitos e não faço questão de corrigi-los. Sou assim e pronto! Desejo que você goste da minha NAVE e qualquer contato é só deixar o seu recado que eu retorno. Muita paz a todos!

One thought on “O celular me avisa: Hora de levantar…

  1. maria de fatima g monteiro

    Querida Kika adorei, vc sempre franca mesmo escrevendo , tudo de melhor do Mundo para vc Com carinho da amiga de muito longe Fatima

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>